Embora a palavra “teologia” seja empregada às vezes em escritos dogmáticos para designar um simples departamento da ciência que trata da natureza e atributos divinos, o uso prevalecente, desde Abelardo (1079-1142 A.D.), que intitulou seu tratado geral “Theologia Christiana”, o qual abrange sob este termo todo o acervo da doutrina cristã. Por isso, a teologia trata, não só de Deus, mas das relações entre Deus e o universo, motivo por que falamos da Criação, da Providência e da Redenção.

Na filosofia, a teologia é um dos três ramos principais de estudo. Os outros são a antropologia (o estudo do homem) e a cosmologia (o estudo do Universo).

A palavra teologia não ocorre nas escrituras, contudo a ideia está presente nela. Assim bem como as palavras Trindade e Bíblia não ocorrem. Ora se fôssemos crer somente em palavras que aparecem na bíblia, não aceitaríamos o Milênio, nem Ascensão, e nem mesmo a Bíblia, porque estas palavras não aparecem na Bíblia. 

No uso grego secular, teologia significava as discussões dos filósofos a respeito de questões divinas.

Platão chamava as histórias dos poetas a respeito de Deus de “Teologias”.
Foi ele o primeiro a usar este termo, Teologia.

Aristóteles ensinava que havia três ciências: A física: que estudava a natureza – A Matemática que estudava os números e as quantidades e a Teologia que estudava Deus.

SUAS DEFINIÇÕES

a) O termo teologia vem do grego theós “Deus”, e logos, “estudo”, “palavra”, “tratado”. Assim, essa palavra indica o estudo das coisas relativas a Deus, à sua natureza, obras e relações com os homens, etc.

b) “Teologia é a ciência de Deus e das relações entre Deus e o universo”.[1]

c) “Um corpo de doutrinas acerca de Deus, incluindo seus atributos e relações com os homens; especialmente, aquele corpo de doutrinas estabelecido por alguma igreja ou grupo religioso em particular”.

d) É aquela ciência que trata da existência, do caráter, e dos atributos de Deus.

e) É “o estudo, a análise e a declaração cuidadosa e sistemática da doutrina cristã”.[2]

No sentido mais amplo teologia trata-se das doutrinas cristãs que se referem às relações que Deus mantém com o Universo, homem e a Bíblia. No uso moderno, o termo veio a indicar certo número de disciplinas inter-relacionadas, como a teologia sistemática, a teologia bíblica, a teologia moral, etc.
A mãe da Teologia é a Bíblia, pois todas as verdades teológicas são extraídas deste livro (a bíblia).

A teologia está presente no dia-a-dia dos crentes, pois aquilo que pensamos a respeito de Deus é teologia. Aquilo que falamos sobre Deus é teologia. Aquilo que fazemos em nome de Deus também se constitui na nossa teologia (Gerson Correia).

 De que se trata a teologia? De Deus e tudo o que se refere a ele, isto é, o mundo universo: a criação, a Salvação e tudo o mais.
A teologia é um resumo e explicação do conteúdo das revelações que Deus faz de si mesmo.
“Deus revela a verdade em diversas esferas: na natureza universal, na constituição da humanidade, na história da nossa raça, nas Escrituras Sagradas, mas, acima de tudo, na Pessoa de Jesus Cristo, nosso Senhor”.

O CAMPO DE ESTUDO DA TEOLOGIA

A teologia se ocupa de Deus e suas relações com o universo. Ela não trata apenas de Deus em si, mas também de suas obras e seus desígnios, podendo abranger toda e qualquer realidade, desde que esta seja considerada na perspectiva de Deus e seus desígnios.

GRANDES NOMES DA TEOLOGIA

v No Oriente, além de Irineu e Orígenes, outros nomes importantes de homens que escreveram obras teológicas são Atanásio (escola de Antioquia), os dois capadócios e, então, João Damasceno (já no século VIII d.C.).

v No Ocidente, os grandes nomes da teologia foram Agostinho, Anselmo e Tomás de Aquino.

v A Reforma Protestante renovou uma teologia mais bibliocêntrica, tendo repelido um uso excessivo do raciocínio filosófico, com todas as suas influências obscurecedoras. Lutero e Calvino foram grandes mentes teológicas.
Observação.
Apesar de que todos esses foram filósofos, tendo atuado como tais, a Bíblia, ainda assim, para eles era a principal fonte da teologia. A filosofia foi usada por eles como criada da teologia, principalmente como modo de expressão, ou então para exame de pontos de vista alternativos.

VERDADEIRA TEOLOGIA

1) A VERDADEIRA TEOLOGIA TEM QUE SER BÍBLICA.

A verdadeira teologia, a teologia dita “ortodoxa” (palavra grega que significa “de opinião correta”, “doutrina correta”) é, antes de tudo, um estudo racional, ordenado e organizado que parte da revelação divina, ou seja, que tem seu ponto de partida na Bíblia Sagrada.

Um estudo teológico consistente não questiona a Bíblia, não procura julgá-la, censurá-la ou autenticá-la, como se o homem pudesse se fazer juiz de Deus, mas, sim, entendê-la em toda a sua profundidade; essa é a verdadeira teologia, e não essa falsa teologia que os liberais andam pregando por seus seminários que são mais formação de mente cauterizada.

2) SE A TEOLOGIA NÃO FOR BÍBLICA NÃO É TEOLOGIA.

A verdadeira teologia, diante de aparentes contradições, de textos difíceis de entender (2 Pe 3.16), esclarece o povo de Deus, ordenando, sistematizando e entendendo os devidos pensamentos.

A verdadeira teologia, como parte das Escrituras Sagradas, não deixa de reconhecer que a Bíblia Sagrada é inerrante, ou seja, não apresenta erros nem contradições, pois é a Palavra de Deus.

A verdadeira teologia, em momento algum, questiona a origem divina das Escrituras. A Bíblia é a Palavra de Deus e os homens que a escreveram, fizeram-no por intermédio da inspiração do Espírito Santo (2 Pe 1.21).

3) A CIÊNCIA E A FILOSOFIA.

A verdadeira teologia não pode temer as ciências e a filosofia; A verdadeira teologia não se opõe à ciência, converge com ela. Quem se opõe à verdadeira teologia não é a ciência, mas a falsa ciência (1 Tm 6.20). A verdadeira teologia não se opõe à filosofia, mas sim as filosofias, que não são firmadas na verdade, é que são opostas à verdadeira teologia (Cl. 3.8).

4) TEOLOGIA QUE DESTRÓI A FÉ NÃO É TEOLOGIA.

Não quero estudar uma teologia para destruição da fé, quero sim uma teologia que fortifica mais a minha fé. Portanto, teologia que destrói a fé não é uma verdadeira teologia. 

A FINALIDADE DA TEOLOGIA

Ela existe para que possamos melhor conhecer, obedecer, e amor a Deus.

O conhe­ci­mento teo­ló­gico é neces­sá­rio aos cris­tãos por três moti­vos supremos:

1. Para conhe­cer a reve­la­ção do caráter de Deus.
2. Para repu­diar ener­gi­ca­mente as fal­sas doutrinas.
3. Para apre­sen­tar cla­ra­mente a men­sa­gem da salvação
O diretor da Faculdade Teológica Batista do Rio de Janeiro, Israel Belo de Azevedo, explica que pode se estudar Teologia e não ser um pastor, mas não se deve ser um pastor sem estudar Teologia.
A teologia tem o objetivo de fornecer a relação sistematizada de informações extraídas da Bíblia.
A verdade deve sempre ser tratada com um raciocínio coordenado para produzirmos respostas claras e inteligíveis, porque crer é também pensar. A teologia trabalha com a sistematização da revelação registrada: a Escritura Sagrada.

Fonte: Teologia Sistemática Elementar -  Escola Bíblica ECB



[1] STRONG, A. H. Teologia sistemática. São Paulo: Hgnos, 2007, v.1, p. 29.
[2] ERICKSON, Millard J. Introdução à teologia sistemática. São Paulo: Vida Nova, 2007, p. 16.

Blog ECB - Estudos Bíblicos

 
Top